III – DIMENSÃO: PESQUISA, INOVAÇÃO, INTERNACIONALIZAÇÃO

Atualizado: 7 de jun.


Qualquer administração da UFF tem que liderar a construção de pontes para uma universidade que possa servir à sociedade de forma plena (papel social, valor, qualidade e finalidade) através da qualidade de formação de recursos humanos, impacto e visão de sua pesquisa em todas as áreas das ciências e Humanidades. Demanda-se que respondam grande variedade de desafios sociais, tecnológicos, políticos e ecológicos, assim como que haja engajamento social nacional com ações afirmativas e internacional com ações inclusivas de refugiados. As lideranças da UFF precisam ter um projeto bem definido e planejado para ser interlocutora dessas mudanças e participar das condições atuais e do futuro. Adicionalmente, ela precisa ter a capacidade de atrair grandes investimentos para sua infraestrutura (predial e equipamentos), professores e estudantes da alta qualidade. Para isso é preciso ter uma liderança máxima capaz de atuar nos diversos cenários externos mostrando o que há de melhor da UFF e em o lucro econômico e social que poderia advir desses investimentos. Não dúvida de que atualmente o cenário é menos favorável para as universidades, mas as realidades mudam a cada ano. Por exemplo, o marco regulatório C&T aprovado foi um momento favorável à liberdade acadêmica, valorização das lideranças nos grupos de pesquisa e extensão. Mas esses processos precisam de uma visão estratégica forte promovida pela Administração Central. EIXO 1 – Pesquisa de Excelência Desde a sua recente fundação, a UFF é uma universidade conhecida nacionalmente pelos seus pontos fortes, como formação de graduados em diversas áreas, que contribuem para desenvolver uma ciência de fronteira e tornar economia brasileira mais competitiva, tais como, alta qualificação dos professores e funcionários, competências em geração de recursos humanos em todas as áreas do conhecimento, educação continuada para profissionais visando aprimorar suas habilidades, programas de pós-graduação consolidados e internacionalizados, competências na gestão profissional das ações internacionalizantes, abrangência nacional e regional. No entanto, ainda existem vários entraves que impedem que a UFF se torne uma universidade de classe mundial. NOSSAS PROPOSTAS, NOSSOS COMPROMISSOS: ◊ Valorizar as diferentes formas de pesquisas e de produção acadêmica de modo a contemplar a diversidade das áreas e suas especificidades, fornecendo o suporte adequado para que elas se fortaleçam; ◊ Estimular o desenvolvimento da pesquisa interdisciplinar por meio de atividades e ações que incentivem a criação de novos grupos, laboratórios e espaços temáticos de investigação; ◊ Incentivar ações de apoio à pesquisa que atendam às diferentes áreas do conhecimento e fases da carreira docente, abrangendo desde o apoio a recém-contratados até a consolidação da infraestrutura de pesquisa de uso compartilhado e a articulação de redes temáticas de excelência; ◊ Articular ações estratégicas por meio de editais específicos para o fortalecimento dos programas recém-criados e daqueles em fase de consolidação, reconhecendo a diversidade e heterogeneidades das áreas; ◊ Buscar permanentemente a excelência acadêmica, a capacidade de inovação e transferência de tecnologias, a vinculação ao desenvolvimento nacional e a inserção internacional da nossa Universidade. ◊ Aumentar a visibilidade e o alcance da produção acadêmica da nossa Universidade pelo apoio permanente à política de divulgação científica. EIXO 2 – Infraestrutura de Pesquisa A UFF tem infraestrutura predial deficiente com prédios ainda inacabados (somente um ou dois prédios foram acabados nos últimos 8 anos) e outros tem uma manutenção que vai de deficiente a inoperantes, seguido de lentidão na resolução de problemas graves que afetam o ensino e a pesquisa. Além da baixa competitividade na capacidade de captação de recursos das agências financiadoras. Essa capacitação fica na responsabilidade individual dos docentes e com poucos apoios e incentivos estratégico da universidade. Ainda existem muitos arranjos institucionais e organizacionais que não estão orientados com os mecanismos de governança capazes de facilitar a execução de políticas de desenvolvimento acadêmico e ações de infraestrutura. As pós-graduações não possuem poder de decisão nos colegiados dos institutos, nem autonomia no que se refere à contratação dos docentes que possam desenvolver novas competências dentro da universidade. Tais decisões se resumem aos departamentos. No entanto, são os PPG que alimentam os laboratórios de pesquisa que abrem oportunidades para os alunos de graduação a se desenvolverem. A universidade tem baixa infraestrutura de equipamentos multiusuário em comparação com outras universidades do estado que captam mais recursos do que a UFF. Esses entraves organizacionais afetam os programas de pós-graduações, consequentemente qualquer processo de inovação ou geração de start-up, que são os locais aonde se trabalham intensivamente a produção científica e a formação de recursos humanos altamente especializados. Esses dois indicadores são fundamentais para as pesquisas de qualidade das universidades. Portanto, se a UFF quiser avançar no cenário nacional e internacional é preciso de um forte apoio institucional as pós- graduações e um programa estratégico com metas bem definidas para se alcançar as grandes universidades de classe internacional. NOSSAS PROPOSTAS, NOSSOS COMPROMISSOS: ◊ Fortalecer a infraestrutura laboratorial, predial e de equipamentos multiusuários; ◊ Reafirmar o princípio prioritário de organização de laboratórios e centros multiusuários interinstitucionais nas diversas áreas de saberes, abertos a usuários da comunidade da UFF e aos centros de ensino, pesquisa e extensão parceiros; ◊ Apresentar às empresas os projetos da UFF que possam conduzir a novas oportunidades e sinergias em colaborações com outros laboratórios universitários. Será um apoio fundamental para a busca de financiamento e parceiros na indústria; ◊ Agilizar, simplificar e padronizar os procedimentos administrativos que possam dinamizar as ações de inovação capazes de contribuir para o desenvolvimento local e nacional; ◊ Apoiar e orientar os pesquisadores sobre os mecanismos administrativos para apresentar os seus projetos às empresas e órgãos governamentais para que possam realizar a transferência de tecnologia, incubação de empresas e capacitação dos recursos humanos das empresas; ◊ Retomar o projeto de qualificação acadêmica crescente da UFF, buscando recursos e administrando-os de modo eficaz para que os pesquisadores tenham tranquilidade e amparo na realização e publicação de suas pesquisas e para que possam contribuir com reconhecimento para as inovações científicas, tecnológicas e de bem-estar social. EIXO 3 – Financiamento da Pesquisa Apesar de sermos uma grande universidade em número, estamos em terceiro lugar no ranking que avaliam as universidades do Rio de Janeiro. São muitos rankings que utilizam parâmetros distintos, mas que têm grande repercussão na mídia e nem sempre são critérios acadêmicos confiáveis. Muitas das variáveis usadas nas avaliações por ranking estão além da nossa capacidade de adaptação. A estrutura financeira e organizacional é inconsistente, pois apesar da autonomia da universidade em criar cursos e gerir sua área acadêmica, não tem autonomia financeira. Seu orçamento oscila de governo em governo, com reduções drásticas, que afetam toda sua infraestrutura. Em realidade a despesa pública com a universidade vem diminuindo, particularmente nos últimos anos. Além do mais a falta de transparência nos gastos e a decisão das áreas que serão apoiadas de modo a ter uma universidade mais equânime. Este é um agravante ao desenvolvimento da universidade como um todo que pode ser detectada em todas as ferramentas de avaliação universitária. NOSSAS PROPOSTAS, NOSSOS COMPROMISSOS: ◊ Incentivar estratégias que permitam a captação de recursos financeiros externos, considerando que a UFF pode ampliar seus programas de pesquisas básicas, que pode produzir inúmeros benefícios para o estado do Rio de Janeiro e para o país através da criação de novos produtos, tecnologias para geração de empregos, empresas e até novas indústrias; produtividade agrícola, avanços nos cuidados de saúde e melhorias na qualidade de vida; ◊ Estabelecer parcerias com empresas nacionais e internacionais para que nossos pesquisadores apresentem seus projetos aos potenciais parceiros, especialmente da área industrial, visando a captação de recursos para o financiamento das pesquisas; ◊ Criar novos programas temáticos com financeiro aos novos docentes e criar condições para que jovens pesquisadores, ainda sem financiamento de pesquisa, possam utilizar, de maneira subsidiada, a infraestrutura dos centros multiusuários, em seus primeiros anos na UFF; ◊ Valorizar os pesquisadores da UFF por meio de melhoria da infraestrutura de pesquisa, além de criar condições para captação de financiamentos internos e externos em apoio aos laboratórios. EIXO 4 – Internacionalização A UFF tem visibilidade internacional tímida, mesmo sendo uma grande universidade em termos de estudantes. Não se pode dizer que não crescimento da internacionalização nos últimos anos como resultado do investimento da CAPES no Programa PINT, mas o projeto não acabou trazendo a expansão dos processos de internacionalização. Portanto, a UFF ainda apresenta uma capacidade de captação distante do ideal no que se refere à atração de professores e estudantes de outros países. O que tem funcionado são ilhas de excelência de empreendimentos individuais. Embora não haja cobrança de taxas para estudantes estrangeiros e a UFF possua regras flexíveis para entrada desses estudantes, há ainda alguma dificuldade na absorção de alunos de outros países. Exemplos de possíveis causas que expliquem estes índices incipientes é a ausência de um centro de acolhimento internacional para receber estudantes/ pesquisadores estrangeiros e a crescente, mas ainda reduzida oferta de disciplinas em língua inglesa nos PPGs. NOSSAS PROPOSTAS, NOSSOS COMPROMISSOS: ◊ Apoiar e garantir fomento ao projeto institucional de internacionalização da pesquisa e da pós-graduação por meio de parcerias estratégicas com grupos internacionais de excelência; ◊ Melhorar a gestão administrativa dos processos de internacionalização através da proficiência linguística e qualificação dos técnicos administrativos do setor específico; ◊ Facilitar parcerias de ensino, pesquisa e extensão entre a UFF e as universidades estrangeiras, por meio dos centros de acolhimento aos professores, pesquisadores e estudantes estrangeiros na UFF; ◊ Criar projetos de intercâmbios com outros países menos desenvolvidos para oferta de cursos de pós-graduação, por exemplo, para África e outros países da América Latina; ◊ Manter as ações do programa de acolhimento de refugiados em parceria com a ACNUR; EIXO 5 – Inovação A inovação ainda não é uma cultura bem estabelecida na UFF pois falta interesse é liderança nessa importante área. Outras grandes universidades se destacam no cenário nacional e internacional exatamente pelo apoio irrestrito em Inovação que, fundamentalmente, captam grandes volumes de recursos para retroalimentar o complexo sistema de pesquisa. Constituir a investigação científica e tecnológica em novas áreas competitivas com viés da inovação para responder rapidamente às mudanças nos ambientes externos ainda é uma tarefa complexa. Se UFF pretende se destacar nessa área é preciso ter agilidade suficiente para acompanhar o ritmo da associação dos conhecimentos científicos, como a cultura digital, análise estatística, mineração de dados (big data), inteligência artificial, indústria 4.0, tecnologias da comunicação e da informação, saúde, nanotecnologia e processos de produção de novos conhecimentos em áreas consideradas inovadoras. A inovação precisa chegar na Sociedade. É o nosso entendimento, que UFF está inserida na cidade de Niterói e em diversos municípios do interior do Estado do Rio de Janeiro e, que, portanto, são os clientes mais próximos e adequados para essas inovações e start-ups. Vemos natural e positivas que as inovações tecnológicas com a efetiva introdução de produtos no mercado, ou de produtos de práticas sociais sejam as ações mais relevantes que a universidade pode entregar para as diversas regiões do estado onde se faz presente. NOSSAS PROPOSTAS, NOSSOS COMPROMISSOS: ◊ Buscar a efetiva implantação de parques tecnológicos que possam incubar empresas é uma meta a se alcançar na UFF. ◊ Incentivar a contribuição efetiva da UFF com o estado do Rio de Janeiro por meio de utilização dos conhecimentos científicos e tecnológicos para diagnosticar e equacionar questões sociais, ambientais, dos sistemas produtivos e serviços; ◊ Incentivar, de modo efetivo e permanente, a criação de patentes pela UFF; ◊ Apoiar as atividades das empresas juniores da UFF, entidades empreendedoras que estimulam o desenvolvimento social; ◊ Elaborar mecanismos que promovam a inovação e a transferência de tecnologias capazes de estabelecer um ambiente de sinergia entre a universidade e a sociedade em prol do desenvolvimento do estado do Rio de Janeiro e do país.

67 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo